POSLING NS

Banca de DEFESA: GISELA CARDOSO TEIXEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GISELA CARDOSO TEIXEIRA
DATA : 18/03/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 330 do Campus I
TÍTULO:

A GUERRA DO GOLFO NOS JORNAIS FOLHA DE S.PAULO E O GLOBO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DAS NARRATIVAS SOBRE O CONFLITO


PALAVRAS-CHAVES:

Jornalismo de Guerra; Folha de S.Paulo; O Globo; Guerra do Golfo; Análise do Discurso; Semiolinguística; Dimensão Argumentativa; Enquadramentos.


PÁGINAS: 220
RESUMO:

Esta pesquisa tem como objetivo analisar os aspectos discursivos das narrativas da cobertura impressa brasileira da Guerra do Golfo (1990-1991). Mais especificamente, busca investigar as estratégias discursivas utilizadas pelos jornais A Folha de S.Paulo e O Globo para aproximar e inserir o acontecimento da guerra à realidade do leitor brasileiro. Sendo assim, interessou-se analisar a constituição dos enquadramentos midiáticos da Guerra do Golfo e seus possíveis efeitos de sentido, observando uma possível influência de uma situação de comunicação na construção dessas narrativas, principalmente no que se refere à constituição do acontecimento e de seus atores. Para responder à problematização que move este trabalho, estabeleceu-se um diálogo entre os estudos da Análise do Discurso da linha francesa com os da Comunicação – mais precisamente, o principal aparato teórico-metodológico adotado foi a Teoria da Semiolinguística do Discurso, do pesquisador francês Patrick Charaudeau, em diálogo com alguns conceitos do campo jornalístico (como as reflexões teóricas em torno dos enquadramentos e dos critérios de noticiabilidade), além das noções acerca da Dimensão Argumentativa, postuladas por Ruth Amossy, que foram também essenciais para a análise. Para uma melhor contextualização e compreensão das intencionalidades que regem o Contrato de Comunicação, foi explicado a respeito do acontecimento da Guerra do Golfo a partir de alguns autores do âmbito das Ciências Políticas e das Relações Internacionais, além do que já se sabe acerca do jornalismo de guerra como prática jornalística, segundo a perspectiva de pesquisadores do próprio campo acadêmico da Comunicação. Em relação à análise, foi observada, primeiramente, a dimensão argumentativa subjacente às marcas de temporalidades e seus efeitos de sentido e, posteriormente, a construção de imagens dos "personagens" das narrativas midiáticas sobre a Guerra do Golfo. Em seguida, foram analisados os possíveis efeitos de sentido transmitidos por meio do uso de informações de caráter histórico e/ou didático como argumentos para se referir a um acontecimento que emergia naquela atualidade específica. Além disso, foi estudado como a tematização pôde se configurar como uma estratégia de proximidade entre a guerra e o público-leitor brasileiro. Desse modo, foram analisados quais temas foram predominantes na cobertura midiática e, a partir disso, como a Guerra do Golfo se tornou notícia no Brasil, tendo como suporte os dois periódicos supracitados. Buscou-se também discutir a respeito do papel das emoções presentes nas narrativas sobre ofensivas bélicas – ou melhor, analisar uma possível dimensão argumentativa proveniente da mobilização de elementos que podem carregar certo teor de dramaticidade. Os resultados desta pesquisa mostram que as emoções são um dos componentes principais das narrativas de guerra, sobretudo descrições detalhadas e por determinados ditos relatados, o que pode ser considerado uma estratégia de captação e de pregância. Além disso, predominou uma narrativa em torno de "uma luta do bem contra o bem", a partir da constituição de uma imagem agressiva do Iraque do Saddam Hussein e de uma representação "salvadora" dos Estados Unidos de George Bush, o que foi verificado especialmente por meio dos ditos relatados atribuídos aos agentes envolvidos no acontecimento da Guerra do Golfo. Dessa forma, foi possível identificar certa parcialidade na cobertura midiática dos impressos analisados.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - ANTONIO AUGUSTO BRAICO ANDRADE
Presidente - CLAUDIO HUMBERTO LESSA
Externo à Instituição - EMÍLIA MENDES LOPES - UFMG
Externo à Instituição - MONICA SANTOS DE SOUZA MELO - UFV
Notícia cadastrada em: 12/03/2019 09:10
SIGAA | Secretaria de Governança da Informação - (31) 3319-7000 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - vm-sig-app-08.ditic.sgi.cefetmg.br.inst8