Banca de QUALIFICAÇÃO: ESTEFÂNIA CRISTINA DA COSTA MENDES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ESTEFÂNIA CRISTINA DA COSTA MENDES
DATA : 09/07/2019
HORA: 16:00
LOCAL: campus 1
TÍTULO:

Lendo como escritores: a revisão de textos colaborativa como mediadora no processo de aprimoramento da competência escritora


PALAVRAS-CHAVES:

Produção textual. Revisão Textual. Revisão colaborativa. Autorrevisão.


PÁGINAS: 33
RESUMO:

A presente pesquisa tem como tema principal a produção de textos, focando-se em uma de suas etapas, a revisão de textos, sobretudo a colaborativa. Pretende-se avaliar se o reforço da prática dessa parte do processo da escrita, enriquecida pela inclusão de outros leitores, que não só o professor, pode contribuir para a melhoria da competência escritora de alunos do ensino médio. A principal hipótese desta investigação é a de que a revisão colaborativa (especialmente a em grupo) fortalece a interação entre os alunos que, ao “ler como escritores” (CASSANY, 1999), poderão se tornar melhor escritores, especialmente porque partirão de um contexto de observação concreto, ou seja, de um texto que foi produzido por um igual, e não por um professor ou apenas pelo aluno “excepcional”. No intuito de alcançar os objetivos traçados, toma-se como referencial teórico autores como Bazerman (2015), Bernardo (2000), Cassany (1999), Geraldi (2013), Guedes (2009), entre outros, e divide-se a pesquisa em quatro etapas, as quais terão duração total de oito meses: 1ª) aplicação de questionário e produções textuais iniciais; 2ª) produções de texto e oficinas de revisão textual (revisão individual, em pares e em grupos); 3ª) autorrevisão das produções inicias e 4ª) realização de grupo focal. Embora a investigação ainda esteja em andamento, pode-se expor como resultados preliminares, obtidos a partir da análise dos questionários, que a maioria dos alunos (pouco mais de 60%) afirmou que inclui a autorrevisão textual no processo de escrita; no entanto, a eliminação do que consideram “erros” é concebida como principal prática da revisão; a preocupação com o interlocutor ainda parece ser insuficiente, como se bastasse o texto fazer sentido para si próprio; e o contexto comunicacional, bem como o gênero textual, não foram mencionados como balizadores da prática de revisão. Ainda, quanto ao resultado obtido na primeira produção textual, a qual chamei diagnóstico, a média dos alunos foi de 570 pontos, não se diferenciando muito do quadro nacional (Enem), estagnado, desde 2009, entre 500 e 600 pontos.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ADRIANE TERESINHA SARTORI - UFMG
Presidente - ANA ELISA FERREIRA RIBEIRO
Interna - LILIAN APARECIDA ARAO
Notícia cadastrada em: 02/07/2019 13:58
SIGAA | Secretaria de Governança da Informação - (31) 3319-7000 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - vm-sig-app-05.ditic.sgi.cefetmg.br.inst5