Banca de DEFESA: ALINE CRISTINA ARAUJO DE AGUIAR

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALINE CRISTINA ARAUJO DE AGUIAR
DATA : 29/03/2021
HORA: 10:00
LOCAL: CEFET-MG (remotamente)
TÍTULO:

RESISTIR E REEXISTIR: análise discursiva de narrativas de vida sobre transição capilar


PALAVRAS-CHAVES:

Transição capilar; Cabelo crespo/cacheado; Imaginários; Narrativa de vida.


PÁGINAS: 149
RESUMO:

Esta pesquisa buscou entender algumas facetas de um movimento crescente no Brasil e mundo afora, principalmente entre as mulheres negras: o de assumir o cabelo crespo ou cacheado natural. Para isso, trouxemos para a ambiente acadêmico a necessidade de refletir sobre os possíveis imaginários sociodiscursivos construídos acerca do cabelo cacheado/crespo natural. Nossa intenção foi de compreender os motivos históricos, sociológicos e culturais pelos quais – durante muitos anos – mulheres negaram suas mechas, alisando-as com produtos químicos, e o que as levaram a assumir o natural, e evidenciar os elementos linguísticos, discursivos e retóricos que sinalizam, nos relatos analisados, os porquês dessa decisão de assumir as características afro, dentre elas, o cabelo cacheado/crespo. O corpus é composto por oito e-mails escritos por mulheres[1] que passaram ou estavam no processo de transição capilar[2]. São relatos de vida enviados para um blog[3] durante um concurso cultural realizado em parceria com um salão, os dois específicos para cabelos de características afro, no ano de 2017, em Belo Horizonte. O concurso visou selecionar as autoras das histórias mais “impactantes” para ganhar um corte e um tratamento de cabelo, uma produção com maquiagem e um registro fotográfico profissional. A partir dos depoimentos, investigamos, então, os sentidos produzidos por estas mulheres relacionados à transição e de que maneira essa mudança contribui para a (re)construção identitária das autoras dos relatos. O tema foi analisado a partir de uma abordagem interdisciplinar: i) primeiro entender como foram construídos os padrões de beleza brasileiro, além de refletir sobre racismo e feminismos, e para tanto apoiamo-nos nos estudos dos seguintes autores: Nilma Lino Gomes (2008), Djamila Ribeiro (2018), Grada Kilomba (2019), Amanda Braga (2015), Joyce Berth (2019),  Silvio Almeida (2018), Kabengele Munanga (2003) entre outros, e com esses embasamentos, ii) debruçamo-nos no corpus a partir de referências pertencentes aos estudos do texto e do discurso, principalmente, valendo-nos dos conceitos de narrativas de vida, dialogando com Patrick Charaudeau (2007), Dominique Maingueneau (2011) e Ruth Amossy (2005), Ida Lúcia Machado (2016), Leonor Arfuch (2010), Émile Benveniste (1991) e Stuart Hall (2006). As análises mostraram, de uma forma geral, que o alisamento do cabelo cacheado/crespo foi uma condição naturalizada para que as mulheres negras se sentissem integrantes de uma sociedade onde o ideal de beleza se pautava nas características eurocêntricas. Também percebemos, analisando os relatos, que a transição capilar, longe de ser um processo fácil, é um movimento político de reconstrução da identidade e de autoafirmação.


[1] As autoras dos e-mails serão identificadas por nomes fictícios. Vamos usar, como forma de homenagem, nomes de mulheres negras que se destacaram na história do Brasil.

[2] É o período em que a mulher deixa o cabelo crescer naturalmente sem usar produtos químicos de alisamento. Esse processo pode levar meses. Algumas pessoas optam por cortar, aos poucos, a parte alisada e vai eliminando o alisamento à medida que o cabelo natural cresce. Outras escolhem fazer o big chop (ou BC). Em português significa grande corte e esse processo tira, em um corte, de uma vez, toda parte lisa do cabelo.

[3] Por uma questão ética decidimos não divulgar o nome do blog nem do salão realizadores do concurso.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - CLAUDIO HUMBERTO LESSA
Interno - LUIZ HENRIQUE SILVA DE OLIVEIRA
Externa à Instituição - MAIRA GUIMARÃES - UEMG
Notícia cadastrada em: 15/03/2021 15:37
SIGAA | Diretoria de Tecnologia da Informação - DTI - (31) 3319-7000 | Copyright © 2006-2021 - UFRN - vm-sig-app-08.ditic.sgi.cefetmg.br.inst8