Banca de DEFESA: Gustavo Carvalho Souza

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : Gustavo Carvalho Souza
DATA : 28/07/2020
HORA: 14:30
LOCAL: Online, por meio de videoconferência
TÍTULO:

Desflexibilização da Jornada de Trabalho: vivências de servidores em uma instituição de ensino superior


PALAVRAS-CHAVES:

Flexibilização; Jornada de Trabalho; Psicodinâmica do trabalho; Saúde no trabalho


PÁGINAS: 190
RESUMO:

Nas últimas décadas, o processo de reestruturação produtiva tem reorganizado os sistemas de produção e gestão das organizações do trabalho, priorizando a institucionalização de relações flexíveis no ambiente laboral, para atender as demandas voláteis do neoliberalismo. Uma pauta importante deste cenário que vem ganhando espaço nos instrumentos legais globais, bem como na literatura acadêmica, é a flexibilização da jornada de trabalho. Pesquisas científicas sobre os impactos de jornadas flexíveis na saúde do trabalhador têm direcionado para diferentes resultados, os quais nos trazem evidências tanto sobre os ganhos significativos de qualidade de vida, como também sobre formas elaboradas de exploração e precarização do trabalho. No entanto, não foram encontrados estudos empíricos que tratem do inverso, ou seja, do processo de “desflexibilização” da jornada de trabalho. Considerando essa lacuna de trabalhos científicos, a presente pesquisa objetiva compreender as vivências dos servidores Técnicoadministrativos em Educação (TAE's) de uma Instituição de Ensino Superior (IES) no contexto de desflexibilização de jornada de trabalho. O processo de desflexibilização - compreendido aqui como um retorno à jornada de trabalho que uma vez fora flexibilizada – finalizou-se em 2017 na IES pesquisada. Como norte teórico, foi utilizada a abordagem teórica da Psicodinâmica do Trabalho, de Christophe Dejours, visto seu avançado entendimento sobre a centralidade do trabalho, assim como sobre o papel da organização do trabalho na promoção da saúde do trabalhador. Metodologicamente, recorreu-se ao uso da triangulação de métodos, em uma abordagem quanti-qualitativa, devido à complexidade do cenário da pesquisa. Optou-se pela aplicação do Inventário sobre Trabalho e Riscos de Adoecimento (MENDES; FERREIRA, 2007) para compreender-se o cenário geral da instituição e posteriormente constituiu-se um grupo focal no intuito de aprofundar e explicar os resultados encontrados. Para análise dos dados quantitativos utilizou-se estatística descritiva, e, para os dados qualitativos, análise de conteúdo. Como um dos resultados finais, foi possível confirmar empiricamente a proposição de que as vivências de sofrimento patogênico têm se estabelecido no trabalho efetivo dos TAE’s da IES, e que o processo de desflexibilização contribuiu para o prejuízo das vivencias de prazer dos servidores.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ANDREA POLETO OLTRAMARI - UFRGS
Interno - ANDERSON DE SOUZA SANT'ANNA - FGV
Interna - FERNANDA TARABAL LOPES - UFRGS
Externo à Instituição - JEFFERSON LOPES LA FALCE - FUMEC
Presidente - LUDMILA DE VASCONCELOS MACHADO GUIMARAES
Notícia cadastrada em: 24/07/2020 16:30
SIGAA | Diretoria de Tecnologia da Informação - DTI - (31) 3319-7000 | Copyright © 2006-2021 - UFRN - vm-sig-app-09.ditic.sgi.cefetmg.br.inst9